Os tapetes mágicos de Faig Ahmed

Compartilhar

Um dia, quando Faig Ahmed tinha sete anos, seus pais o deixaram brincando em seu quarto, no tapete que pertencera à avó de sua mãe. Ahmed traçava padrões no tapete, os dedos procurando uma maneira de viajar da borda ao centro – todo o desenho parecia-lhe um labirinto. Então ele teve um estalo: pegou uma tesoura grande e cortou a borda “para ficar mais fácil”. Depois que começou, foi difícil parar. Ele cortou o tapete cada vez mais em pedaços, “tirou um padrão daqui e moveu para lá”.

Quando seus pais voltaram para vê-lo, encontraram o tapete irreconhecível. Logo depois, todos os tapetes que antes cobriam o chão e as paredes desapareceram da casa de sua família em Baku, no Azerbaijão.

De-stabilization, 2016. Imagem: Faig Ahmed

Hoje a arte de Ahmed é cobiçada na Europa e nos EUA (menos em Baku), onde as peças são vendidas por mais de US$15.000 (£ 11.870). Normalmente, os tapetes começam com um padrão clássico que encontra um obstáculo ou falha, uma espécie de colapso técnico. A paleta azul de De-stabilization (2016) descasca em tiras de um tapete completamente diferente, um intruso. Outro design é pixelado. O efeito é curiosamente desorientador.

Chelebi. Imagem: Faig Ahmed

Os tapetes têm uma história de uso para expressão política, mas Ahmed vê os tapetes como “algo muito estável. O tapete é o resultado do tempo. Mesmo há 2.500 anos havia padrões e técnicas semelhantes aos de hoje. O centro e as bordas são como uma estrutura social, dando a ideia de tudo o que sabemos.”

Gautama. Imagem: Faig Ahmed

Talvez ter crescido no Azerbaijão na década de 90, mudando de cidade em cidade porque “era uma situação ruim, a URSS desfeita, não foi um momento fácil”, o ajudou a redirecionar a ênfase em seu trabalho, pois ele lança estruturas assentadas no caos, e explora como as duas ideias vivem juntas. A surpresa é que os resultados são lindos e poderosamente harmoniosos.

Liquid. Imagem: Faig Ahmed

De acordo com Ahmed, isso é basicamente física quântica em forma de tapete. O que soa um tanto fantasioso – até ele ressaltar que cada nó é apenas uma espécie de pixel, e que antigamente os tapetes eram tão importantes “como os nossos smartphones, usados pelos xamãs para saltar para o subconsciente ou mundos paralelos”.

Ao contrário dos tapetes de chão tradicionais, os tapetes de Ahmed destinam-se a adornar as paredes – como a forma de arte que são.

Saiba mais: https://www.faigahmed.com/
Fonte: The Guardian

Paula Reis

Paula Reis

Publicitária formada pela ESPM-SP, faz parte da equipe da Blombô, o primeiro marketplace de arte online do Brasil. Apaixonada por escrever e por Arte em todas as suas formas, vem produzindo conteúdo desde os primórdios da internet e se especializando em História da Arte, com cursos pelo MASP Escola, Escola Panamericana de Arte e outras instituições. Se você tem qualquer dúvida ou sugestão para o Blog, mande uma mensagem: ela também adora conhecer novas pessoas e trocar ideias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BANNER_BLOG_BLOMBO_340x340

Categorias

obra de arte a venda na blombo
e-book aumentando sua receita
infográfico usando a internet a seu favor